quinta-feira, março 06, 2014

O polêmico Auto-tune - Parte I

Você sabia que quase 100% dos artistas de hoje em dia usam Auto-tune? Aliás, você sabe o que é Auto-tune?

Interface do Auto-tune

O que é isso?
Sem enrolação, Auto-tune é um processador de áudio criado em 1994 (veja o artigo da Wikipédia sobre o Auto-tune para entender melhor). Reza a lenda que o tal processador de áudio era utilizado para ajustar o som dos instrumentos nas músicas gravadas em estúdio. Mas, em 1998, um produtor chamado Mark Taylor (que na época estava produzindo músicas para Cher) teve a brilhante ideia de usar o Auto-tune na voz da cantora. O resultado foi o grandioso single Believe, maior sucesso da cantora e um dos maiores singles de todos os tempos.
Com o passar do tempo, principalmente no começo dos anos 2000, foram surgindo cantores e mais cantores que eram adeptos fiéis do Auto-tune. O tempo continuou passando  e até cantores de longa data entraram para lista VIP de amigos do tal processador. Hoje, 9 em cada 10 cantores (esse número foi eu que chutei XD) usam essa ferramenta milagrosa que tem se tornado cada vez mais indispensável na produção de qualquer música... Mas por que?

Como ele funciona? O que ele faz?
O Auto-tune funciona estabilizando a voz humana e deixando ela "perfeita", não é à toa que ele é chamado por aí de Photoshop da voz, e a verdade é que muito difícil cantar com uma voz tão estável por meios naturais. Então, se um cantor não usa Auto-tune, e não é capaz de cantar tão estável (o que é totalmente comum e normal), vai acabar soando diferente dos outros, como se ele não soubesse cantar, já que praticamente todas as músicas de hoje tem.

Movimento Anti-Auto-tune.
Com a popularização do tal efeito na industria da música, muitos artistas se manifestaram contra o uso deliberado do processador. Jay-Z lançou uma música em seu álbum The Blueprint 3 (de 2009) intitulada DOA (Death of Auto-tune) que fala sobre isso. E Christina Aguilera já foi vista com uma camisa com a frase "Auto Tune is for Pussies" (Auto-tune é para vadias). Entre outras manifestações.

Identificando o Auto-tune.
Não é tão fácil de identificar se uma música tem ou não esse efeito. É bem natural que você saia por aí ouvindo músicas e tentando reparar se aquele cantor usa ou não usa Auto-tune, mas no começo é bem difícil. Vou tentar passar algumas dicas:


  • Há quem diga que o processador deixa a voz robótica, com efeito metálico... Bem, isso é verdade, mas isso não me ajuda muito na hora de identificar, porque, como eu já expliquei, quase todas as músicas tem esse efeito.
  • É bom ouvir atentamente a voz do cantor (se possível, até mesmo a versão acapela). Com Auto-tune parece que a voz do artista está duplicada, é bem sutil, mas eu consigo ouvir se o áudio o instrumental não tiver muito alto. Cuidado para não confundir com o vocal de apoio (backing vocal).
  • Ai vem a melhor dica: primeiro você ouve a versão em estúdio da música, depois ouça uma versão ao vivo. Se o cantor não usa Auto-tune, a voz dele ao vivo vai ser muito parecido com a que você ouviu na versão em estúdio.
Veja um exemplo de Mariah Carey cantando We Belong Together em estúdio e depois ao vivo.

Mesmo depois dessas dicas, leva um tempo até você conseguir identificar o Auto-tune, que, com eu já disse, não é uma tarefa fácil. Mas agora eu gostaria de saber a opinião de vocês sobre o assunto: você acha que ele é útil? O que você acha dos cantores que usam? Você usaria? Comentem!!!

Por: Diozim Carlos

Nenhum comentário: